A B C D E F H I J L M N O P Q R S T U V

DICIONÁRIO   FINANCEIRO

Take One Proposta de adesão para um cartão encontrado em diversos estabelecimentos. O cliente o preenche com seus dados e envia pelo correio para a instituição.
Take Over O processo de compra de uma empresa por outro grupo, através da compra de ações dessa empresa.
Tarifa por extrato Alguns cartões cobram esta tarifa, justificando o preço do envio, confecção e compensação do extrato.
Taxa de Administração Taxa cobrada pela instituição financeira pela administração de um fundo de investimento. Como trata-se da remuneração do serviço prestado pela instituição, fica a critério dela estabelecer o valor percentual dessa taxa, que no entanto está pré-estabelecida no regulamento do fundo. Todo fundo de investimento tem uma taxa de administração. Fundos diferentes têm taxas diferentes.
Taxa de Administração (Cartão de Crédito) Taxa cobrada pelas adminstradoras de cartões por cada operação. Pode existir também uma taxa mensal.
Taxa de Câmbio Valor para conversão entre 2 moedas. Ex.: A taxa de câmbio entre o real e o dólar é de R$ YY por um dólar, ou seja, preciso de YY reais para comprar 1 dólar.
Taxa de câmbio a termo Taxa de câmbio entre duas moedas numa data futura.
Taxa de Crescimento Variação de um determinado indicador durante um período de tempo. Um dos indicadores mais usados é o PIB: taxa de crescimento do PIB, significando a taxa de crescimento da economia de um país.
Taxa de Custódia Taxa cobrada pela corretora de valores mobiliários pela manutenção das ações de seus clientes sob sua guarda (responsabilidade).
Taxa de desconto Taxa que é utilizada para calcular o valor presente de fluxos de caixa futuros.
Taxa de Ingresso É uma taxa cobrada pelos bancos para a entrada do investidor em alguns tipos de investimentos. Alguns bancos cobram taxa de ingresso em seus fundos de investimento, o que significa dizer que caso o investidor queira comprar cotas desse fundo, ele pagará um percentual para poder adquirir as cotas desejadas. Esta taxa é normalmente expressa em termos percentuais. No Brasil, no momento, nenhum fundo de investimento cobra taxa de ingresso.
Taxa de Juros É a taxa cobrada para empréstimos de dinheiro e seu valor expressa o custo do dinheiro no mercado. É um ganho para o emprestador e uma despesa para o tomador do empréstimo.
Taxa de juros de equilíbrio A taxa de juros que equilibra o mercado de moeda, ou seja, que iguala a quantidade de moeda que se deseja emprestar e a quantidade que se deseja tomar emprestada.
Taxa de Performance Taxa percentual cobrada pelos bancos sobre uma parcela da rentabilidade do fundo de investimento, que exceder a variação de um determinado índice previamente estabelecido. Ex.: se a taxa de performance é de 25% sobre o IGP-M, significa que este percentual será cobrado sobre os rendimentos que ultrapassarem a variação do IGP-M no período.
Taxa Efetiva É a taxa que determina a rentabilidade final de um investimento, indicando o ganho/perda do investidor.
Taxa Interna de Retorno É um taxa que visa determinar a rentabilidade de um investimento ou projeto
Taxa Nominal de juros Valor da taxa de juros sem descontar a inflação.
Taxa Over É uma metodologia de cálculo para a taxa de juros, utilizada apenas no Brasil, remanescente do período de taxas inflacionárias altas. Atualmente é utilizada como padrão para empréstimos entre bancos.
Taxa real de juros Taxa de juros descontada a inflação.
TBAN Vide TBC.
TBC / TBAN Siglas para Taxa Básica do Banco Central e Taxa de Assistência do Banco Central.São utilizadas nos empréstimos de liquidez dos bancos junto ao Banco Central e por este definidas no final do mês anterior ao de suas vigências, em reunião específica do Comitê de Política Monetária (COPOM). A frequencia de utilização e o tipo de garantia dado pela instituição financeira é que determinarão o custo do empréstimo de liquidez (redesconto). Nas melhores condições será utilizada a TBC (piso da taxa do Bacen) e nas piores a TBAN (teto da taxa do Bacen).
TBF Sigla para Taxa Básica Financeira.
Criada com o objetivo de alongar o perfil das aplicações em títulos com uma taxa de juros de remuneração superior à TR. Sua metodologia de cálculo é idêntica à da TR, com a diferença fundamental de que não se aplica nela o redutor.
TDA Sigla para Títulos da Dívida Agrária.
É uma das chamadas "moedas podres".
Timing Jargão utilizado no mercado financeiro para indicar o momento mais adequado para realizar determinada ação financeira - investir, resgatar, comprar, vender.
TIR Taxa Interna de Retorno. É a taxa de retorno no qual o valor presente de um fluxo de caixa fica negativo.
Titular de opção Aquele que tem o direito de exercer ou negociar uma opção.
Titularidade A propriedade de um determinado ativo. Ex.: titular de cotas do fundo de investimento significa que trata-se do proprietário das cotas desse fundo.
Título de Capitalização Modalidade de investimento com características de um jogo no qual se pode recuperar parte do valor gasto na aposta. Sem ajuda da sorte, o rendimento será provavelmente inferior ao da tradicional caderneta de poupança. Do valor aplicado pelo investidor, a instituição financeira separa um percentual para poupança, outro para os sorteios e um terceiro para cobrir suas despesas. Esses títulos são interessantes para quem gosta de jogar, com a vantagem de que caso não ganhe, uma parte do investimento será recuperada.
Título patrimonial da bolsa Desde que autorizada pelo Banco Central do Brasil, no qual deverá previamente se registrar, a sociedade corretora deverá adquirir um título patrimonial da bolsa de valores em que desejar ingressar como membro.
Títulos Papéis ou certificados que representam um determinado capital. Podem ser emitidos por instituições públicas, privadas ou mistas, com o objetivo de captar recursos. Tais títulos são muito negociados entre pessoas e entidades.
Títulos da Dívida Externa O Governo Federal visando obter dinheiro no exterior para financiar sua operação, pode vender títulos da dívida externa a investidores estrangeiros que emprestam seu dinheiro em troca de uma taxa de juros definida. O IDU (interest due unpaid) é um exemplo de um título da dívida externa.
Títulos de Capitalização Certificados emitidos pelas empresas de capitalização em favor dos respectivos tomadores. Os portadores dos títulos pagam à vista ou mensalmente à sociedade o valor do titulo, formando assim um capital, acrescido dos juros acumulados, a ser recuperado ao final do prazo de vencimento do titulo ou através de sorteios.
Títulos Estaduais Um Estado querendo captar recursos, visando conseguir dinheiro para seus investimentos, vende títulos estaduais aos investidores que no ato dessa compra estão emprestando seu dinheiro ao Estado, em troca de uma taxa de juros sobre o valor emprestado.
Títulos Municipais Um Município querendo captar recursos, visando conseguir dinheiro para seus investimentos, vende títulos municipais aos investidores que no ato dessa compra estão emprestando seu dinheiro ao Município, em troca de uma taxa de juros sobre o valor emprestado.
Títulos Pós-fixados Modalidade de investimento cuja rentabilidade varia de acordo com a variação de um índice específico. Ex.: As NTNs (Notas do Tesouro Nacional) estão pagando uma taxa de juros de 12% + TR (Taxa Referencial).
Títulos Pré-fixados Modalidade de investimento cuja rentabilidade é conhecida no momento da aplicação. Ex.: As LTNs (Letras do Tesouro Nacional) estão dando uma rentabilidade de 23% a.a. (ao ano).
Títulos Privados Uma empresa privada visando conseguir dinheiro para investimentos ou qualquer outra finalidade, vende títulos privados para investidores que em troca de emprestarem seu dinheiro recebem uma taxa de juros sobre o dinheiro emprestado. Ex.: debêntures.
Títulos Públicos Uma autarquia pública visando conseguir dinheiro para investimentos ou qualquer outra finalidade, vende títulos públicos para investidores que em troca de emprestarem seu dinheiro recebem uma taxa de juros sobre o dinheiro emprestado.
TJLP Sigla para Taxa de Juros de Longo Prazo.
Criada para estimular os investimentos nos setores de infraestrutura e consumo. A TJLP é válida para os empréstimos de longo prazo, seu custo é variável mas permanece fixo por períodos mínimos de três meses.
Tomadores de preços Empresas que competem em mercados em concorrência perfeita. Trata-se de um mercado onde há muitas empresas e nenhuma delas é grande demais para alterar os preços.
TR Sigla para Taxa Referencial de Juros.
A TR foi criada no Plano Collor II com a intenção de ser uma taxa básica referencial dos juros a serem praticados no mês. Atualmente é utilizada no cálculo do rendimento de vários investimentos, tais como títulos públicos, caderneta de poupança. E também em outras operações, tais como empréstimos do SFH, pagamentos a prazo e seguros em geral. A metodologia de cálculo da TR tem como base a taxa média mensal ponderada ajustada dos CDBs prefixados das 30 instituições financeiras selecionadas, sendo eliminadas as duas de menor e as duas de maior taxa média. A base de cálculo da TR é o dia de referência, sendo calculada no dia útil posterior. Sobre a média apurada das taxas dos CDBs é aplicado um redutor que varia mensalmente.
Trading Post Sistema de negociações contínuas realizadas por meio de postos de negociações, tendo como objetivo dar homogeneidade aos trabalhos, em função da quantidade de negócios, permitindo, assim, distribuir uniformemente o fluxo de operações pelo recinto (sala de negociações).
Transações Correntes Corresponde a soma das balanças comerciais, de serviços e das transferências unilaterais.
Transferência de Cotas É um dos caminhos para se trocar o titular das cotas, apenas uma forma de trocar o dono das cotas de um determinado fundo.
Transferência Eletrônica Processo que transfere dinheiro de um banco para outro eletronicamente, sem o uso de cheques, e sem o intermédio do correio.
Transferências Unilaterais Montante de dinheiro que deixa o país sem contrapartida. Por exemplo, residentes de um país que enviam recursos para seus parentes em outros países. Doações de países mais desenvolvidos para países mais pobres na forma de dinheiro ou de mercadorias.
Trava de baixa Estratégia utilizada para limitar o prejuízo, que combina a venda de uma opção de compra (call) simultaneamente com a compra de uma outra opção de compra (call).
Tributação Cobrança de impostos devidos.