Abissínio

O primeiro registro da raça data de 1868, quando uma senhora inglesa trouxe da Abissínia para a Europa, um gato chamado Zulu que, apesar de ser chamado Abissínio, não apresentava as características da raça atual. A raça foi catalogada com os padrões bem determinados em 1882. Os donos dos gatos Abissínios gostam de pensar que seus bichanos descendem diretamente dos gatos dos faraós, mas não existem evidências que apóiem tal suposição.

Americano pêlo curto

São originários dos gatos domésticos levados para os Estados Unidos pelos imigrantes pioneiros. Eles descendem de uma mesma linhagem básica, assim como o Moggy europeu comum, tendo assim, um padrão bem definido, que parece muito com o gato Britânico pêlo curto.

Pelagem: é curta, grossa, densa e brilhante.

Cor: são reconhecidas as seguintes variedades: branca (olhos azuis, cor de cobre ou ímpares), preta, azul, vermelha, creme, chinchila (pêlos brancos, com pontas, delicadamente manchados de preto no dorso, costado, cabeça, orelhas e cauda), prata-sombreado (pêlos prateados

com sombras nos lados, face e cauda, dando um efeito bem mais escuro que no chinchila). Preto-fumaça (pêlo branco com pontas azuis), atartarugado, calico (atartarugado e branco), azul-creme (as duas cores dispostas em manchas bem delimitadas e sem misturar-se, como no tipo Britânico); Tabby marrom, azul, vermelho, prata e creme (ambos listrados ou manchados) e também os bicolores.

Corpo: bem formado, com tamanho mediano para grande, postado sobre patas firmes, robustas e de comprimento médio. Os pés firmes e arredondados apoiam-se em almofadas grandes. O peito e os ombros são bem desenvolvidos e o pescoço, de comprimento médio, deve apresentar uma espessura constante e uma ligeira curvatura arredondada.

Cabeça: não muito grande com o nariz longo, o focinho quadrado e o queixo firme e bem desenvolvido. As orelhas têm pontas ligeiramente arredondadas, são bem implantadas, afastadas, mas não são particularmente largas na base.

Olhos: arredondados, grandes e bem separados com ligeira inclinação para fora.

Cauda: com um talhe médio, deve ser muito pesada na base e, ainda que as vértebras se afinem de uma forma normal, ela termina de forma abrupta.

Comportamento: são verdadeiros atletas. São fortes e musculosos. Têm muita energia, gostam de correr e são conhecidos como excelentes saltadores. São afetuosos, inteligentes e excelentes companheiros.

Dono ideal: aquele que lhe dê liberdade para se exercitar e, ao mesmo tempo, seja seu companheiro diário.

Ambiente: precisam de espaço para se exercitar, pular e correr.

Calda: longa

Comportamento: afetuoso e muito vivo. Têm uma voz suave, que encanta.

Dono ideal: aquele que permita e ofereça muito espaço para ele se exercitar e que lhe dê muito carinho.

Ambiente: o Somali foge à regra de que os gatos de pêlos longos não necessitam de muito exercícios. Ele gosta de se exercitar constantemente e nunca deve ficar preso.

Cuidados especiais: são bastante resistentes a doença, não exigindo muitos cuidados além do básico, como vacinas, vermífugos, higiene e boa alimentação.

Reprodução: sem restrições.

Adestramento: são muito inteligentes e aprendem com facilidade

Americano pêlo duro

Origem: em 1966, uma mutação ocasional do gato americano pêlo curto, produziu um gatinho de pelagem grosseira e dura. Foi feito, então, o seu cruzamento dirigido, que transformou sua geração numa nova raça.

Pelagem: de comprimento médio, com pêlos rígidos na cabeça, dorso, costado, nuca e final da cauda. É menos grosseira no ventre e queixo.

Cor: são reconhecidas as seguintes variedades de cores: branca (olhos azuis, cor de cobre ou ímpares, preta, azul, vermelha, creme, chinchila (pêlos brancos, com pontas, delicadamente manchados de preto no dorso, costado, cabeça, orelhas e cauda); prata-sombreado (pêlos prateados com sombras nos lados, face e cauda, dando um efeito bem mais escuro que no chinchila); preto-fumaça (pêlo brando cm pontas azuis), atartarugado, calico (atartarugado e branco); azul-creme (as duas cores dispostas em manchas bem delimitadas e sem misturar-se, como no tipo Britânico); Tabby marrom, azul, vermelho, prata e creme (ambos listrados ou manchados) e também os bicolores.

Corpo: bem formado, com tamanho mediano para grande, postado sobre patas firmes, robustas e de comprimento médio. Os pés firmes e arredondados apoiam-se em almofadas grandes. O peito e os ombros são bem desenvolvidos e o pescoço, de comprimento médio, deve apresentar uma espessura constante e uma ligeira curvatura arredondada.

Cabeça: não muito grande com o nariz longo, o focinho quadrado e o queixo firme e bem desenvolvido. As orelhas têm pontas ligeiramente arredondadas, são bem implantadas, afastadas, mas não são particularmente largas na base.

Olhos: arredondados, grandes e bem separados com ligeira inclinação para fora.

Cauda: com um talhe médio, deve ser muito pesada na base e, ainda que as vértebras se afinem de uma forma normal, ela termina de forma abrupta.

Comportamento: são um pouco menos ativos que o Gato Americano Pêlo Curto, mas gostam de se exercitar. São excelentes companheiros, chegando a ser muito apegados aos donos.

Dono ideal: aquele que tem tempo para lhe acariciar e brincar com ele.

Ambiente: não necessitam de muito espaço para se exercitar, podendo ser criado em apartamentos.

Cuidados especiais: escovação diária da pelagem.

Reprodução: apesar de toda semelhança com o Gato Americano Pêlo Curto, o cruzamento com estes gatos não deve ser incentivado, para garantir o padrão da pelagem da raça.

Adestramento: são muito inteligentes e aprendem com facilidade.

Defeitos: cauda curta ou retorcida. Pelagem longa ou lanuda

Angorá

Origem: Ankara - cidade que antigamente se chamava Angorá – localizada na Turquia. A ela também se atribuiu a origem de outras espécies de animais com pêlo longo, como o coelho angorá, cujo pêlo é usado para fazer o cachemere.

Pelagem e cores: sua pelagem é longa e bem farta, especialmente na região do pescoço e cauda. Nos Estados Unidos, até pouco tempo, apenas os gatos brancos eram reconhecidos como angorá. Mas, devido ao aparecimento de colorações muito bonitas, como o cinza azulado e o rajado, hoje já se aceita praticamente todas as cores.

Corpo e cabeça: é muito comum as pessoas confundirem o gato angorá com o persa. Porém, ele apresenta características muito diferentes. O corpo e a cauda são mais longos, e sua cabeça é menor, com orelhas retas. É um gato de porte médio; seus membros posteriores devem ser um pouco maiores que os anteriores, deixando a garupa mais elevada. Sua principal diferença em relação ao gato persa está no nariz mais longo e no fato de não apresentar o “stop” acentuado, que dá o aspecto de carinha amassada do persa. O angorá apresenta tufos de pêlos nas orelhas. Os gatos brancos devem apresentar o nariz e os coxins palmares e plantares com coloração rosa.

Olhos: são grandes e amendoados, com coloração azul, âmbar ou ímpares (um azul e outro âmbar ou verde).

Cauda: longa e bem cheia de pêlos.

Comportamento: é muito apegado ao dono e aos animais da casa, quando existem. Gosta, principalmente, da companhia de outro gato da mesma raça. Adora dar seus passeios, embora não costume ir muito longe; é mais caseiro do que outras raças.

Dono ideal: como todo gato com pelagem longa, o angorá exige escovação diária dos pêlos, além de banhos quinzenais, demandando, portanto, mais tempo de dedicação do que outras raças. Seus donos devem ser tolerantes, pois o angorá gosta de ficar dentro de casa e deitar em sofás e almofadas que costumam ficar cheios de pêlo (facilmente removidos). A escovação diária do angorá ajuda a retirar o pêlo morto e evita a sua queda pela casa, aliviando, assim, a alergia das pessoas que convivem com ele.

Ambiente: necessita de pouco espaço para se exercitar, podendo ser criado em apartamentos. Gosta de locais macios para descansar.

Cuidados especiais: a escovação diária dos angorás evita a formação de bolos de pêlo que tiram a beleza do animal e podem provocar doenças de pele. Estes bolos retêm umidade e sujeira que, em excesso, favorecem a infecção da pele por fungos e bactérias. Normalmente, os gatos da raça angorá são muito mais resistentes a doenças de pele do que outras raças de pêlo longo, como o persa, por exemplo. Sem a escovação diária, o gato, ao se lamber, ingere maior quantidade de pêlos, aumentando o risco de formação de bolos no estômago, o que pode causar sérios danos a sua saúde.

Adestramento: são muito inteligentes e fáceis de serem adestrados. Quanto mais convivência tiver com o dono, mais facilidade terá em aprender.

Balinês

Muito parecido com o siamês, o balinês se diferencia pelo comprimento semilongo de sua pelagem. Exceto isso, as duas raças são bastante parecidas, inclusive no formato do corpo, que é o mesmo. Além de muita energia e disposição para brincar, o balinês tem a vantagem de não ser barulhento e miar de forma suave e agradável.
Origem: existem registros destes gatos na década de 20, nos Estados Unidos. Acredita-se que se originaram de uma mutação de siameses. Provavelmente, houve o nascimento de filhotes daquela raça com pêlos mais compridos e esta característica foi mantida nos seus descendentes. Embora o trabalho de reconhecimento do balinês tenha começado na década de 40, pela criadora americana Helen Smith, ele só aconteceu em 1970. O nome balinês foi uma homenagem da criadora às dançarinas da ilha de Bali.

Pelagem: comprimento semilongo; textura macia e sedosa; densidade fina.

Cor: clara no corpo (branco ou creme em tons variados) e mais escura nas extremidades -cara, patas e cauda (preto, chocolate, azul, lilás, vermelho, creme, castanho, chocolate avermelhado).

Corpo: longo e esbelto, com musculatura firme.

Cabeça: cunha longa e afilada, com tamanho médio. O focinho é sem break, o crânio é achatado, as bochechas suaves, sem break. O nariz é longo e absolutamente reto, sem reentrâncias ou protuberâncias. O queixo é de tamanho médio, alinhado com a ponta do nariz.
Olhos: amendoados, com tamanho médios, inclinados em direção ao nariz, em harmonia com as linhas da cunha e das orelhas.

Cauda: fina e comprida, com pêlos alongados e espessos, que provocam um efeito exótico e interessante.

Comportamento: dócil, meigo, brincalhão, superativos e bastante sociável, inclusive com crianças e outros animais. É mais afetuoso que o siamês, sendo comum acompanhar os donos dentro de casa.

Dono ideal: pessoas meigas, com tempo e disposição para brincar com eles.

Cuidados especiais: é sensível à falta de carinho e companhia.

Ambiente: se adapta à maioria dos ambientes, mas é bom deixar alguns "brinquedos" para que possa se entreter na ausência dos donos.

Adestramento: é muito inteligente. Aprende muitas brincadeira com facilidade e é capaz de buscar objetos jogados pelo dono.